segunda-feira, 18 de junho de 2012

O Pastor Ideal. Ele Existe?




Vivemos em épocas cujos padrões de qualidade oferecidos pelas empresas seculares também têm experimentado o seu reflexo até mesmo dentro da própria Igreja. Isto significa que a busca pelo "pastor ideal", com alto padrão de qualidade, isto é, uma espécie de pastor que tenha o certificado ISO 9000, tem sido bastante grande. Porém, a pergunta que faço é: "Existe, de fato, o pastor ideal?". Bem, acredito que a resposta a esta pergunta seja um veemente: "não!".

Entretanto, não há como negar que há uma certa "insatisfação pastoral
" quase que generalizada em muitos arraiais evangélicos mundo afora, insatisfação esta que denuncia a necessidade que as ovelhas têm de encontrar um modelo de líder eclesiástico em quem possam se espelhar e depositar a sua confiança. Porém, tal "padrão de qualidade pastoral", longe de ser uma realidade alcançável, demonstra ser, pelo contrário, um ideal utópico, impossível de ser atingido. Tal fato pode ser demonstrado nas linhas que seguem:
1. Se o pastor é jovem demais, então ele é inexperiente; se já possui cabelos grisalhos, é considerado velho demais.
2. Se o pastor tem três ou quatro filhos, ele é visto como um homem relaxado, que não soube ter um "controle de natalidade" eficaz; por outro lado, se ele não tem nenhum filho, é visto como uma pessoa egoísta e que não tem a mínima autoridade para falar sobre filhos, já que ele não os tem.3. Se o pastor chama a atenção das crianças quando fazem barulho durante o culto, ele é insensível e não gosta de crianças; se, porém, ele não chama a atenção delas, ele é um líder que não está nem aí com a ordem do culto e com as "coisas de Deus".4. Se a esposa do pastor canta no coral, é porque ela está querendo aparecer; contudo, se ela não canta, é porque ela não tem o mínimo interesse em apoiar ao seu marido em seu ministério.5. Se o pastor prega durante apenas meia hora, é porque ele não tem conteúdo; se ele prega durante uma hora, então é um prolixo que não tem domínio próprio sobre a sua língua.6.Se o pastor dedica bastante tempo aos seus estudos bíblico-teológicos, ele é racional demais e também é anti-social, pois não dá a menor atenção ao rebanho; se, contudo, ele vive visitando os fiéis, é porque é um desocupado que não tem algo mais importante a fazer.7.Se o pastor é daqueles que usam muitas ilustrações em suas pregações, ele é visto como um mero contador de histórias (uma espécie de Forrest Gump gospel), o qual não se preparou adequadamente no estudo da Bíblia; mas, se ele não utiliza ilustrações em seus sermões, estes são tidos como frios, enfadonhos e chatos.8. Se o pastor recebe um salário "gordo", ele é um mercenário e interesseiro, pois só está no ministério por causa do dinheiro; se ele se contenta com um singelo ordenado, é porque não dá o mínimo valor ao seu ministério pastoral.9. Se o pastor conta piadas no púlpito, ele está cometendo um sacrilégio, pois está se comportando como um mundano; se ele não usa nenhuma anedota em seus sermões, a sua mensagem é "sem graça".10. Se o pastor cita palavras em hebraico ou em grego em suas mensagens, ele está querendo se mostrar; agora, se ele não faz nenhuma citação nestas línguas, então ele é inculto e ignorante;11. Se o pastor costuma usar o púlpito todos os domingos para pregar, ele é egoísta e vaidoso, porque só pensa em si mesmo; já se ele cede a oportunidade para outros pregadores, é porque está se eximindo de suas próprias responsabilidades.12. Se o pastor prega a respeito dos dízimos, ele é ambicioso e só pensa em dinheiro; se não o faz, ele está negligenciando o sagrado ensinamento sobre o dever da contribuição.13. Se o pastor prega sobre a santificação e o arrependimento, ele está "descendo o cajado" nas pobres das ovelhas; se ele não aborda tais assuntos, é porque ele deve ter "culpa no cartório".14. Se o pastor usa um terno diferente a cada domingo, ele é um exibicionista e um ostentador que, muitas vezes, só está se vestindo bem às custas da igreja; mas, se ele usa quase sempre a mesma indumentária, é criticado por não saber se vestir adequadamente no "dia do Senhor".15. Se o pastor concede a oportunidade para os membros mais abastados da igreja desempenharem o serviço cristão, é porque ele está de olho no dízimo deles; se, entretanto, ele concede tal oportunidade aos mais pobres, ele está querendo fazer o seu marketing pessoal espiritual.
16. Se o pastor vive telefonando para as suas ovelhas durante a semana, é porque ele "não dá um tempo" e só se preocupa em "sufocar" e "policiar" a vida dos seus arrebanhados; todavia, se ele não liga pra ninguém, é porque ele não está nem aí com a situação espiritual das ovelhas.17. Se o pastor trabalha na igreja full time (por tempo integral), ele é um sujeito aproveitador que, por não ter conseguido um "trabalho melhor", só quer saber de "sair no lucro" de forma fácil; por outro lado, se ele trabalha meio período na igreja e meio período em um serviço secular, é porque ele não dá a mínima importância para a "obra do Senhor", pois a está fazendo de "qualquer maneira".18. Se o pastor "dirige o culto" de domingo de maneira que este termine mais tarde, ele é desorganizado e relapso, pois não está preocupado com o fato de que os irmãos terão que levantar cedo na segunda-feira para trabalhar; mas, se o culto termina no horário ou mais cedo do que o previsto, ele não é "espiritual, o bastante" para deixar o culto "fluir" no Espírito.


Ora, diante destes e de muitos outros exemplos que poderiam ser citados, chego à seguinte conclusão: "SER PASTOR É MUITO DIFÍCIL!". E toda esta dificuldade se deve, em parte, ao fato de que muitos membros projetam em seus pastores a figura utópica do líder ideal (ou "Super Líder"), o qual tem a responsabilidade de ser sempre: o melhor pregador, o melhor teólogo, o melhor companheiro, o melhor administrador do culto, o melhor pai, o melhor marido, o melhor amigo, o melhor conselheiro etc. Detalhe: Todos esses bons predicados têm que coexistirem sempre ao mesmo tempo no pastor, sem exceção! E ai dele se não for perfeito em tudo!

Porém, a essa altura da nossa reflexão, creio que seja importante deixar registrado aqui dois recados: um para os pastores e outro para as ovelhas.

Primeiramente, me dirijo aos pastores. Caro pastor, não tenha a pretensão de agradar a todas as ovelhas em seu ministério, pois isso jamais acontecerá. Sempre haverá pessoas insatisfeitas com o culto, com a mensagem, com o louvor e até mesmo com você! Porém, não se deixe desanimar diante disso. Aliás, não use isso como justificativa para não oferecer o seu melhor a Deus e à Sua Igreja. Se Deus o vocacionou ao pastorado, vá em frente! Busque dar aquilo você tem de melhor no ministério e creia que o Senhor o abençoará.

Agora, falo às ovelhas. Nobres ovelhas do aprisco do Senhor, tomem cuidado para não exigirem demais de seus pastores. Não se esqueçam que eles não são "super homens". Pelo contrário, são tão humanos quanto vocês. Eles também enfrentam diariamente os mesmos problemas e as mesmas dificuldades que vocês enfrentam. Além disso, não exijam demais da esposa do pastor e do(s) filho(s) do pastor, impondo-lhes um nível de "santidade" e de "comportamento exemplar" que nem mesmo vocês ou seus filhos conseguem desempenhar. Respeite o seu pastor e ore muito por ele, pois, assim como você, ele também precisa de muito apoio, de muita compreensão e, acima de tudo, de muita oração.

Bem, acredito que ao término desse nosso pensamento duas coisas tenham ficado bem claras: assim como não há o pastor ideal, também não há a ovelha ideal. A Igreja de Cristo é composta por pastores e ovelhas imperfeitos, falhos e pecadores. Todavia, tanto um como o outro buscam almejar para as suas vidas o exemplo de perfeição que o Sumo Pastor, Jesus Cristo, lhes inspira.

Ora, Àquele que é o Único Pastor Ideal, o Sumo Pastor das nossas almas, sejam o louvor e a majestade para todo o sempre!

Em Cristo,

Autor:
Carlos Augusto Vailatti

Nenhum comentário:

Postar um comentário